06 de Julho de 2012
Sul da França tem festivais de teatro, fotografia e ópera
A exposição sobre inovações tecnológicas nos arquivos da Sociedade Francesa de Fotografia, apresentada em Arles, foi organizada por Luce Lebar, uma ex-aluna da Escola Nacional de Fotografia.
A exposição sobre inovações tecnológicas nos arquivos da Sociedade Francesa de Fotografia, apresentada em Arles, foi organizada por Luce Lebar, uma ex-aluna da Escola Nacional de Fotografia.
Patrick Mercier/Ville d'Arles
Kênya Zanatta

O programa desta semana enfoca três festivais de verão tradicionais da França, que acontecem em algumas das mais lindas cidades da Provença, região do sul do país.

Durante as próximas três semanas, o palco montado no antigo Palácio dos Papas e em outros locais de Avignon serão tomados por companhias dos quatro cantos do mundo. No programa, criações contemporâneas ou releituras iconoclastas de clássicos do teatro e da literatura, além de espetáculos de dança, concertos e exposições de artes plásticas.

Cerca de 60 espetáculos compõem a programação oficial desta 66ª edição do Festival de Avignon, mas ainda tem mais, muito mais. O Off, uma programação paralela, terá 1.100 peças em cartaz na cidade durante o mesmo período. Uma oportunidade para que público, críticos e programadores de teatros conheçam o trabalho de jovens companhias.

A poucos quilômetros de Avignon, a cidade de Arles abriga até o dia 23 de setembro os Encontros Internacionais da Fotografia. O diretor do festival, François Hébel, explicou em entrevista à RFI que boa parte das 60 exposições programadas nesta edição comemoram os 30 anos da Escola Nacional de Fotografia, sediada em Arles, com trabalhos de ex-alunos. 

A ópera pode refletir o mundo contemporâneo ou dar pistas sobre o que nos reserva o futuro? O Festival de Aix-en-Provence aposta que sim. E isso pode ser feito com novas montagens de clássicos, como a versão de As bodas de Figaro que abriu o festival, estrelada por Kate Lindsey e Patricia Petibon. Não por acaso, o tratamento dado às personagens femininas faz com que a obra de Mozart surpreenda pela modernidade.

Já as óperas contemporâneas abordam de maneira mais direta as questões que vemos todos os dias nos jornais. Em Une situation Huey P. Newton, Jean-Michel Bruyère entrelaça a história dos Black Panthers americanos com a vida nas periferias francesas, a fim de evidenciar a fratura social na Europa. A 64ª edição do Festival de Aix-en-Provence vai até o dia 27 de julho.


 

Mais notícias sobre o mesmo assunto
Close