14 de Setembro de 2012
Bailarinos asiáticos são destaque na Bienal da Dança de Lyon
Cena do espetáculo da companhia Sankai Juku, do mestre do butô japonês Ushio Amagatsu.
Cena do espetáculo da companhia Sankai Juku, do mestre do butô japonês Ushio Amagatsu.
@Biennale de la Danse de Lyon
Kênya Zanatta

Entre tradição secular e furor iconoclasta, a dança asiática do século 21 está na mira dos holofotes da Bienal da Dança de Lyon. Do minimalismo do japonês Ushio Amagatsu, mestre do butô, à mestiçagem orquestrada pelo coreógrafo Mourad Merzouki, que associa o hip hop francês à dança contemporânea de Taiwan, o corpo em movimento tem muito a dizer sobre o mundo de hoje. Neste programa conversamos com a diretora artística do evento, Dominique Hervieu.

Um outro fio condutor da programação é a literatura. Essa vertente inclui um "Romeu e Julieta" ambientado nos dias de hoje e interpretado por uma trupe de atores, dançarinos e acrobatas em um cenário todo em tons de cobre. Ou ainda o novo espetáculo do renomado coreógrafo Angelin Preljocaj, baseado em um livro do escritor francês Laurent Mauvignier sobre a violência das relações sociais.

O Agenda Europa desta semana também fala sobre a nova exposição do museu do Quai Branly, em Paris, que explora os múltiplos significados que os cabelos podem assumir nas culturas do mundo inteiro. Outro destaque do programa é a mostra de pintores pré-rafaelitas na Tate Britain de Londres. 

 

 

Mais notícias sobre o mesmo assunto
Close