Portugal / Crise - 
Artigo publicado em 11 de Setembro de 2012 - Atualizado em 11 de Setembro de 2012

Portugueses protestam nas redes sociais contra novas medidas de austeridade

Pedro Passos Coelho, primeiro-ministro português, se desculpou em sua página no Facebook pelas medidas de austeridade que seu governo adotou na última sexta-feira.
Pedro Passos Coelho, primeiro-ministro português, se desculpou em sua página no Facebook pelas medidas de austeridade que seu governo adotou na última sexta-feira.
Flickr/ EPP Summit March 2012

RFI

Os portugueses estão usando as redes sociais para criticar o novo pacote de austeridade do governo e organizar protestos. O próprio primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, se desculpou pelas rigorosas medidas em sua página no Facebook.

Adriana Niemeyer, correspondente da RFI em Lisboa

O perfil do primeiro-ministro português Pedro Passos Coelho no Facebook virou até notícia no Financial Times depois que recebeu mais de 33 mil comentários desde o último sábado, após ele ter usado a rede social para se desculpar pela implantação de um novo pacote de austeridade.

Assinando simplesmente como Pedro, o premiê confessou que pela primeira vez se sentiu frustrado, devendo um pedido de desculpas, como pai e cidadão, “por não poder poupar os portugueses de mais esses sacrifícios".

Mas não é só na rede que os comentários proliferam. Em todo o país só se fala das novas medidas para reduzir o déficit orçamentário, anunciadas na última sexta-feira. Entre elas a mais polêmica: a de diminuir o imposto social único para as empresas enquanto aumenta em quase 60% o valor da contribuição do trabalhador para a previdência social. O resultado é que os assalariados portugueses terão o equivalente a um salário a menos por ano no setor privado e dois no setor público. Uma medida que, segundo o governo, vai criar mais empregos.

Mas desta vez os portugueses estão dando sinais de que não vão engolir tão facilmente a nova agenda do governo no que diz respeito à redução dos salários. Um grupo independente de cidadãos, estudantes, artistas e cientistas está usando as redes sociais para convocar a população para manifestar em todo país no próximo sábado. A ideia é promover um protesto social independente dos partidos ou sindicatos.

O Partido Socialista, que apesar de estar na oposição encontrava-se amarrado ao govermo por ser co-autor do plano econômico para salvar o país, agora também toma distância e anuncia que não vai aprovar o próximo orçamento de 2013, que será apresentado no mês de outubro.

Já o primeiro-ministro continua “garantindo” que vai fazer tudo para cumprir as obrigações com os credores, antes mesmo da nova avaliação dos representantes da chamada troika, o grupo formado pelo Banco Central Europeu, a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional, que acontece ainda esta semana.

tags: Austeridade - Crise financeira - Economia - Facebook - Pedro Passos Coelho - Plano de austeridade - Portugal - Redes Sociais
Mais notícias sobre o mesmo assunto
Comentários
Comente este artigo
O conteúdo deste campo é privado e não irá ser exibido publicamente.
To prevent automated spam submissions leave this field empty.
CAPTCHA
Esta pergunta serve para diferenciação entre computadores e humanos contra os ataques de spams. Automated spam submissions.
Close