Brasil/EUA - 
Artigo publicado em 15 de Outubro de 2012 - Atualizado em 15 de Outubro de 2012

Presidente do Fed responde às críticas de Guido Mantega

O presidente do FED (Banco Central dos EUA), Ben Bernanke.
O presidente do FED (Banco Central dos EUA), Ben Bernanke.
REUTERS/Brent Smith

RFI

No último dia da reunião anual do Fundo Monetário Internacional em Tóquio, o presidente do Banco Central americano, Ben Bernanke, se defendeu das críticas feitas pelo ministro Guido Mantega a respeito dos efeitos da atual política monetária dos Estados Unidos sobre a economia brasileira.

Os principais jornais econômicos destacam hoje a resposta do presidente do Fed, Ben Bernanke, às críticas do ministro brasileiro da Fazenda, Guido Mantega. O Financial Times destaca que, na avaliação de Bernanke, a política de afrouxamento monetário do Fed é essencial para reativar a economia dos Estados Unidos, estimulando o consumo interno, o investimento e a produção.

O esforço do Fed  "ajuda não apenas na recuperação da economia dos Estados Unidos, (...), mas ajuda também a apoiar economia global", argumentou em Tóquio durante encontro anual do Fundo Monetário Internacional. Bernanke declarou ainda que até entendia a preocupação do ministro brasileiro, mas insistiu que "não está claro que as políticas monetárias acomodativas dos países ricos vão prejudicar" os países emergentes.

Mas, para Mantega, a política de afrouxamento monetário dos bancos centrais do dos países desenvolvidos, especialmente dos Estados Unidos, representa uma grave ameaça para as economias emergentes. O ministro brasileiro alerta que a política monetária do Fed vai levar à depreciação do dólar, encarecendo as exportações de outros países, entre eles o Brasil.

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional, Christine Lagarde, também endossou as preocupações de Mantega. Ontem, também durante a reunião anual do FMI, Lagarde declarou que as políticas monetárias acomodativas dos países ricos poderiam alimentar fluxos de capitais especulativos e "voláteis" para as economias emergentes. Ela também viu riscos de superaquicimento nesses países, mas tentou contemporizar. Ela disse que as iniciativas dos bancos centrais dos países ricos são "legítimas" e "necessárias" para relançar a atividade econômica.

tags: Christine Lagarde - Crise - Estados Unidos - FMI - Japão
Mais notícias sobre o mesmo assunto
Comentários
Comente este artigo
O conteúdo deste campo é privado e não irá ser exibido publicamente.
To prevent automated spam submissions leave this field empty.
CAPTCHA
Esta pergunta serve para diferenciação entre computadores e humanos contra os ataques de spams. Automated spam submissions.
Close