Portugal/FMI - 
Artigo publicado em 19 de Dezembro de 2011 - Atualizado em 19 de Dezembro de 2011

FMI libera 7 bilhões de reais de empréstimo a Portugal

Depois da Comissão Europeia,  foi a vez do FMI desbloquear a terceira parcela do empréstimo a Portugal, após reunião da cúpula do órgão em Washington.
Depois da Comissão Europeia, foi a vez do FMI desbloquear a terceira parcela do empréstimo a Portugal, após reunião da cúpula do órgão em Washington.

RFI

O Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou nesta segunda-feira ter aprovado o depósito de 2,9 bilhões de euros para Portugal, o equivalente a 7 bilhões de reais. O montante é referente à terceira parcela do empréstimo de 28 bilhões de euros (68 bilhões de reais), acordado em maio passado ao país europeu fragilizado pela crise do euro.

Victória Álvares, em colaboração para RFI

Até agora, Lisboa recebeu um total de 33 bilhões de reais só do FMI. O país também deve receber em breve 5 bilhões de euros (cerca de 12 bilhões de reais) de seus parceiros europeus.

O empréstimo do FMI faz parte de um plano de financiamento internacional orçado em 78 bilhões de euros (ou seja, 190 bilhões de reais), que será transferido para o Portugal em várias parcelas durante os três próximos anos.

O FMI financia cerca de um terço do empréstimo a Portugal, no quadro do Programa de Financiamento Ampliado.

A primeira parcela foi acionada após a assinatura do acordo e a segunda depois de concluída a primeira avaliação da aplicação do Memorando de Entendimento, em Agosto. Desta vez, a ajuda chegou um mês antes do previsto, depois que algumas autoridades insistiram na viabilidade do programa de ajustamento e asseguraram que Portugal não precisa de medidas de austeridade adicionais no curto prazo.

Apesar deste programa de ajuda financeira e das medidas de austeridades que foram colocadas em prática, a economia portuguesa ainda não conseguiu voltar a crescer. O governo prevê mais uma contração do Produto Interno Bruto para 2012.

No entanto, ele se felicitou de ter conseguido reduzir o déficit orçamental para 4,5% do PIB em 2011 (contra 9,8% em 2010), bem abaixo da meta de 5,9% estabelecidos pelos seus financiadores.
 

tags: Crise - Crise financeira - Economia - Euro - Europa - FMI - Portugal
Mais notícias sobre o mesmo assunto
Comentários
Comente este artigo
O conteúdo deste campo é privado e não irá ser exibido publicamente.
To prevent automated spam submissions leave this field empty.
CAPTCHA
Esta pergunta serve para diferenciação entre computadores e humanos contra os ataques de spams. Automated spam submissions.
Close