Nobel/Medicina - 
Artigo publicado em 08 de Outubro de 2012 - Atualizado em 09 de Outubro de 2012

Nobel de Medicina é dividido entre japonês e britânico

Os dois cientistas vencedores do prêmio Nobel de Medicina 2012, atribuído conjuntamente ao japonês Shinya Yamanaka e ao britânico John B. Gurdon.
Os dois cientistas vencedores do prêmio Nobel de Medicina 2012, atribuído conjuntamente ao japonês Shinya Yamanaka e ao britânico John B. Gurdon.
RFI/ REUTERS/Jarno Mela/Lehtikuva

RFI

O prêmio Nobel de Medicina 2012 foi concedido nesta segunda-feira ao biólogo britânico John B. Gurdon e ao médico japonês Shinya Yamanaka por suas pesquisas que demonstraram a capacidade de reprogramação das células-tronco. Segundo o comunicado do Comitê Nobel, em Estocolmo, as descobertas dos dois cientistas revolucionaram a compreensão sobre a maneira como as células e os organismos se desenvolvem.

Os dois premiados descobriram que as células adultas podem ser reprogramadas para se tornar polivalentes, isto é, se diferenciar em outros tipos de células não especializadas. Em 1962, o biólogo britânico Gurdon descobriu que o código do DNA da célula de uma rã adulta continha todas as informações necessárias para transformar essa célula em outras células. Quatro décadas mais tarde, em 2006, o médico japonês Yamanaka descobriu que células adultas de ratos podem ser reprogramadas e voltar ao estágio de vida inicial. 

As células-tronco podem ser utilizadas para substituir células que o organismo deixa de produzir por alguma deficiência, ou em tecidos lesionados ou doentes. O júri da academia sueca justificou a recompensa afirmando que as descobertas de Gurdon e Yamanaka abriram novas frentes de pesquisa. "Com a técnica de reprogramação nuclear das células humanas, eles criaram novas ocasiões para o estudo de doenças, métodos de diagnóstico e terapia", assinalou o júri.

O britânico Gurdon, 79 anos, compõe o corpo de pesquisadores da Universidade de Cambridge desde 1972. Já o japonês Yamanaka, 50 anos, se tornou pesquisador da Universidade de Kyoto, depois de iniciar a carreira como cirurgião ortopedista. Ele também é professor associado ao Instituto Gladstone, de São Francisco (EUA).

Este ano, a Fundação Nobel reduziu em 20% o valor dos prêmios. Os dois pesquisadores vão dividir a quantia de R$ 2,448 milhões.

tags: Células-tronco - Genética - Medicina - Nobel - Suécia
Comentários
Comente este artigo
O conteúdo deste campo é privado e não irá ser exibido publicamente.
To prevent automated spam submissions leave this field empty.
CAPTCHA
Esta pergunta serve para diferenciação entre computadores e humanos contra os ataques de spams. Automated spam submissions.
Close