França/ acidente - 
Artigo publicado em 11 de Julho de 2012 - Atualizado em 11 de Julho de 2012

Airbus volta a acusar pilotos por acidente com o AF447

Fabricante alega que pilotos erraram trajeto antes de sondas congelarem.
Fabricante alega que pilotos erraram trajeto antes de sondas congelarem.
DR

RFI

A fabricante Airbus se defendeu hoje das críticas feitas ontem pelos advogados das famílias das vítimas do vôo AF447, entre o Rio de Janeiro e Paris, voltando a reafirmar os erros de pilotagem cometidos pela tripulação. Nesta terça-feira, foi apresentado um relatório elaborado por peritos judiciais no qual as responsabilidades da construtora foram destacadas.

As críticas mais contundentes foram feitas pelo advogado Alain Jakubowicz, da associação francesa Entreaide et Solidarité. Ele destacou que os erros de pilotagem ocorreram após o início das falhas técnicas do Airbus A330.

Hoje, a gigante aeronáutica reagiu argumentando que, antes que as sondas de velocidade (pitots) congelassem, a tripulação já havia se equivocado na escolha do trajeto para atravessar o oceano Atlântico. “A trajetória escolhida pelos pilotos é contestável”, disse uma fonte à agência AFP, durante a Feira Internacional de Aeronáutica de Farnborough, na Inglaterra.

A investigação do acidente mostrou que outros aviões que passavam pela mesma região que o AF447 na noite de 31 de maio de 2009 optaram por mudar radicalmente o trajeto ao perceberem a aproximação de uma tempestade, enquanto os pilotos da Air France fizeram leves alterações.

A Airbus ainda chamou a atenção para o fato de que “a perda dos dados de velocidades [ocasionada pelo congelamento das sodas] deveria ter levado os pilotos a aplicar os procedimentos de ‘velocidade duvidosa’, o que se traduz por desconectar o diretor de voo”. Este instrumento, que sugere comandos para manter a estabilidade e a trajetória do avião, pode ter induzido os pilotos ao erro, como indicou o Escritório de Investigações e Análises (BEA), no seu relatório final da investigação da tragédia, divulgado na semana passada. O órgão concluiu que a tragédia ocorreu por uma combinação de falhas técnicas e humanas.

“Como disse o BEA, nós não saberemos jamais se os pilotos obedeceram os diretores de voo, final não havia câmeras na cabine. Mas se eles o fizeram, a fase de tentativa de estabilização da trajetória [ocorrida após o desligamento do piloto automático] não pode, de forma alguma, ter sido influenciada pelo diretor de voo”, declarou o porta-voz da empresa. A fonte insistiu que a Airbus “sempre apoiou” as investigações”, inclusive “na busca pelas caixas-pretas, sem as quais ninguém poderia compreender este acidente”.

A Airbus, junto com a companhia aérea Air France, foram indiciadas na Justiça por homicídio culposo em março de 2011.
 

tags: Air France - Airbus - BEA - França - Investigação - Justiça - Voo AF 447
Mais notícias sobre o mesmo assunto
Comentários (1)

Um viés na Responsabilidade Objetiva, entendeu?

Olá amigos da RFI, a verdade é que a máquina já alçou voo da França com falhas técnicas tão flagrantes que levou a reputação da AIRBUS a níveis pessimistas por parte dos seus usuarios e essa argumentação no sentido de se atribuir uma " CULPA IN ELIGENDO " é no sentido de minimizar a imagem de uma empresa já por demais " arranhada " por ter tido uma nave sua envolvida num acidente sem precedentes até então; Simples, os pilotos compartilham o erro com a empresa significando com isso que esse caso foi uma exceção, como se ao dividir a culpa o prestígio da AIRBUS se asseguraria voltando tudo ao " status quo ante ". Numa linguagem corriqueira eles querem LAVAR o nome.

Comente este artigo
O conteúdo deste campo é privado e não irá ser exibido publicamente.
To prevent automated spam submissions leave this field empty.
CAPTCHA
Esta pergunta serve para diferenciação entre computadores e humanos contra os ataques de spams. Automated spam submissions.
Close