Últimas notícias
França/delinquência - 
Artigo publicado em 16 de Outubro de 2012 - Atualizado em 16 de Outubro de 2012

Batedores de carteira diversificam métodos em Paris

Foto de sinalização nas dependências da Torre Eiffel
Foto de sinalização nas dependências da Torre Eiffel
Flickr

Taíssa Stivanin

Cerca de 29 milhões de turistas visitam Paris todos os anos, o que faz da capital francesa a cidade mais visitada do mundo, e também um paraíso para os batedores de carteiras. Os métodos para distrair as vítimas mudam com frequência, e a criatividade dos ladrões não têm limites.

O turista em Paris em geral pode visitar a cidade sem medo, mas precisa ficar atento. Existem poucos casos de assaltos com violência física, mas os batedores de carteira inovam a cada dia, e os furtos são comuns. Nesta entrevista à RFI, a chefe da Brigada de Repressão ao Banditismo, Hèléne Dupif, traça o perfil do ladrão que perambula pelos principais pontos turísticos da cidade.

Quais são os tipos de furtos mais freqüentes em Paris ?

O essencial continua sendo os pickpockets, batedores de carteira. Mas é importante fazer um parênteses: Paris não é uma cidade onde somos furtados a cada esquina. O tipo de furto mais comum ocorre no transporte público. O turista, claro, anda muito de metrô ou ônibus, e existem batedores de carteira especializados. Mas também tem outros métodos. Ladrões que vão tentar conversar com os turistas, por exemplo. No início, o turista, que não entende francês, vai prestar atenção. Ou então encostam no braço, fingem dar um golpe de judô com a perna e, durante esse meio tempo, roubam a carteira. Eles são muito hábeis.

Existem outros métodos?

Também tem um outro tipo de furto, conhecido como o ‘furto da mancha.’ Os ladrões, vão usar um pouco de maionese, catchup ou xampu e espirrar no ‘alvo’. Depois se aproximam da pessoa e dizem : "sua roupa está manchada, deixa eu ajudar." A vítima tira o casaco, e a dupla, porque geralmente eles agem em dupla, aproveita para roubar a carteira e o dinheiro. Em qualquer caso, o objetivo é sempre desviar a atenção.Pessoas que dormem também podem ser furtadas. Saindo de uma festa, as pessoas bebem um pouco demais e acabam dormindo em um banco, por exemplo, ou no metrô. Um ladrão aproveita para roubar a carteira e levar o que tem no bolso. Há também, mesmo que seja menos frequente, o golpe do falso policial. Eles mostram documentos de identidade falsos e os turistas, que não conhecem a polícia francesa, acabam mostrando a carteira. Esse também é um modus operandis pouco frequente, mas que existe.

Quais são os turistas mais atingidos por esse tipo de violência ?

Infelizmente, são os japoneses. No Japão, não existe delinquência na rua, a sociedade canaliza todos esses desvios de comportamento, e os japoneses, ainda por cima, gostam de ter dinheiro na mão, então são, naturalmente, alvo dos ladrões. Fazemos um trabalho conjunto com a embaixada do Japão em Paris para que as autoridades japonesas sensibilizem os futuros turistas em relação aos riscos existentes.

Quais os locais, além da Torre Eiffel, onde ocorre o maior número de assaltos em Paris ?

A Torre Eiffel é um local propício para esse tipo de furto, mas os turistas também precisam ficar atentos nos transportes e nos museus. Se você vai ao Louvre, por exemplo, você verá que há centenas de turistas diante da Monalisa, fascinados pelo quadro, que sem saber correm o risco de ter a carteira roubada. Aliás, no Louvre, há cartazes avisando os turistas da presença de batedores de carteira em potencial, que podem aproveitar desse momento onde as pessoas estão apreciando o quadro.

Depois do desmantelamento de uma rede criminosa de ciganos romenos, o número de furtos envolvendo esses menores diminuiu ?

É uma forma de furto que ainda existe. Duas meninas apresentam uma petição e pedem para você assinar. Elas agem sempre em dupla, nos cafés. Isso já existe há muito tempo e resiste, mesmo que a gente consiga limitar os danos, com as prisões. Mas esses método de furto, que consiste a desviar a atenção de alguém, não é um privilégio dos delinquentes ciganos romenos. Temos criminosos que vêm da América do Sul e são grandes especialistas nesse tipo de infração.

 

tags: França - Paris - Polícia
Comentários
Comente este artigo
O conteúdo deste campo é privado e não irá ser exibido publicamente.
To prevent automated spam submissions leave this field empty.
CAPTCHA
Esta pergunta serve para diferenciação entre computadores e humanos contra os ataques de spams. Automated spam submissions.
Close