18 de Abril de 2012
Valor da expropriação de YPF opõe Buenos Aires e Madri
Quartel-general da YPF em Buenos Aires, em foto desta quarta-feira.
Quartel-general da YPF em Buenos Aires, em foto desta quarta-feira.
REUTERS/Marcos Brindicci
Silvano Mendes

O clima continua tenso entre Buenos Aires e Madri desde o anúncio feito pelo governo argentino de que pretende estatizar a companhia de petróleo YPF, filial da espanhola Repsol. A YPF, que já foi responsável por 65% do gás e do petróleo argentinos, produz atualmente 34% do gás e petróleo consumido no país latino-americano. A presidente argentina insiste na decisão, enquanto no lado espanhol Madri já anuncia represálias e conta com o peso da União Europeia a seu favor.

Conversamos sobre o assunto com nosso correspondente em Buenos Aires, Márcio Resende. Ele explica que a principal batalha será pelo preço a ser pago aos espanhóis pela expropriação. A Repsol avalia que deve receber US$ 10,5 bilhões. Para o Estado argentino, quem vai avaliar isso é um tribunal de contas sob controle do governo, e o mais provável é que o valor não chegue nem a US$ 5 bilhões.

O jornalista relata que desde que os Kirchner chegaram ao poder, uma série de empresas privatizadas foram reestatizadas e os seus administradores estrangeiros, expulsos do país. Foi assim com o Correio argentino, com a companhia de Águas e Esgoto, com a companhia aérea Aerolineas Argentinas e até com o sistema de Previdência Social.

Mais notícias sobre o mesmo assunto
Close