Últimas notícias
Tabagismo - 
Artigo publicado em 31 de Maio de 2012 - Atualizado em 31 de Maio de 2012

Médicos franceses defendem alta drástica do preço do cigarro para reduzir o tabagismo

Embalagens de cigarros vendidos na França.
Embalagens de cigarros vendidos na França.
Andreas Rentz/Getty Images

RFI

No dia mundial de luta contra o tabagismo, a Academia Nacional de Medicina da França afirma que apenas um forte aumento do preço do cigarro poderá reduzir o avanço do tabagismo na França. Apesar das campanhas publicitárias, o consumo continua a crescer entre os jovens.
 

Pelos cálculos do Banco Mundial, é preciso um aumento de, no mínimo, 10% no preço do maço para provocar uma baixa de 4% no número de fumantes nos países ricos. Entre os jovens, essa queda seria de 8%. A Academia Nacional de Medicina francesa endossa essa avaliação. “Os aumentos de 6% no preço do maço decididos pelo governo quatro vezes nos últimos anos foram benéficos para os empresários e para os comerciantes, mas foram muito fracos para diminuir as vendas”, destaca a academia.

Desde 2004, as vendas de cigarro estão estáveis. “O tabagismo tem ganhado terreno entre a população em geral e também entre os jovens”, diz Gerard Dubois, da Academia Nacional de Medicina da França. Em 2010, a taxa de fumantes entre a faixa etária de 18 e 75 anos é de 30% na França. Na Inglaterra, ela é de 21% e na Suécia, de 16%. Entre 1991 e 1997, na França, porém, as vendas de cigarro caíram pela metade.

Para a Liga contra o Câncer da França, a luta contra o tabagismo também deve ser centrada na publicidade e na indústria cinematográfica. Num relatório divulgado hoje, a organização revela que, em 180 filmes franceses vistos por um grupo de analistas, 80% mostravam cenas de “valorização do tabagismo”. “A presença e a valorização do tabagismo no cinema seduz as vítimas do futuro, especialmente as mulheres e as mais jovens”, avalia Jacqueline Godet, presidente da associação.

Cigarros “light”

Os especialistas afirmam ainda que os cigarros vendidos como “light” ou “ultra light” e com menor teor de alcatrão e nicotina são tão nocivos quanto os cigarros normais. Um cigarro convencional possui 20mg de nicotina contra 12 a 15mg nos cigarros “light”. Para inalar a quantidade necessária para satisfazer o seu vício, o fumante acabará fazendo uma inalação mais profunda, levando mais partículas cancerígenas para o interior dos pulmões.

 

tags: Campanha - Câncer - Cigarro - Comércio - França - Publicidade - Tabagismo
Mais notícias sobre o mesmo assunto
Comentários
Comente este artigo
O conteúdo deste campo é privado e não irá ser exibido publicamente.
To prevent automated spam submissions leave this field empty.
CAPTCHA
Esta pergunta serve para diferenciação entre computadores e humanos contra os ataques de spams. Automated spam submissions.
Close