Últimas notícias
Vaticano/Esândalo - 
Artigo publicado em 13 de Agosto de 2012 - Atualizado em 13 de Agosto de 2012

Vaticano julgará mordomo e cúmplice por vazamento de documentos do Papa

Paolo Gabriele, mordomo de Bento 16, em cerimônia na Praça São Pedro no Vaticano.
Paolo Gabriele, mordomo de Bento 16, em cerimônia na Praça São Pedro no Vaticano.
REUTERS/Alessandro Bianchi

RFI

Um tribunal do Vaticano anunciou hoje que vai julgar o mordomo de Bento 16, Paolo Gabriele, e seu suposto cúmplice, Claudio Sciarpelletti, um técnico de informática da secretaria de Estado do Vaticano. Os dois são acusados de serem os responsáveis pelo vazamento de documentos secretos da Santa Sé que ficou conhecido como Vatileaks.

O porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, declarou hoje que as investigações do caso são “amplas e complexas” e que outras pessoas ainda poderão ser indiciadas. O mordomo Paolo Gabriele irá responder por roubo agravado e o técnico de informática por cumplicidade. Lombadi disse, porém, que a partipação de Claudio Sciarpelletti foi "periférica".

Desde o começo deste ano, a imprensa italiana vinha divulgando vários documentos confidenciais do Vaticano, além de cartas endereçadas diretamente ao Papa. Segundo as investigações, o mordomo fotocopiou os documentos e os enviou para pessoas que não pertenciam à Igreja.

Paolo Gabriele era o homem de confiança de Bento 16 e o “primeiro e o último a ver todos os dias” o sumo pontífice. Fontes do Vaticano, declararam que Bento 16 está profundamente abalado com a traição. O mordomo permanece em prisão domiciliar. Duas avaliações psicológicas revelaram que Gabriele não tem nenhum problema mental, mas que é frágil emocionalmente e sofre com grande “mal-estar caracterizado pela tensão, raiva e frustração”. Tonino Cantelmi, um dos responsáveis pela análise, afirmou ainda que Gabriele acreditava estar fazendo “bem ao Papa” ao divulgar os documentos.

Uma operação de busca e apreensão realizada no escritório do mordomo encontrou mais documentos da Santa Sé, um cheque de 100 mil euros destinado ao Papa, uma pepita de ouro e uma edição rara da "Eneida" que era um presente para Bento 16.

 

tags: Bento 16 - Escândalo - Espionagem - Julgamento - Justiça - Vaticano
Mais notícias sobre o mesmo assunto
Comentários
Comente este artigo
O conteúdo deste campo é privado e não irá ser exibido publicamente.
To prevent automated spam submissions leave this field empty.
CAPTCHA
Esta pergunta serve para diferenciação entre computadores e humanos contra os ataques de spams. Automated spam submissions.
Close