Portugal/crise - 
Artigo publicado em 28 de Agosto de 2012 - Atualizado em 28 de Agosto de 2012

Troika avalia avanços do programa de austeridade em Portugal

O desemprego é um dos reflexos da crise econômica em Portugal, como mostra o cartaz em imagem desta segunda-feira, em Lisboa.
O desemprego é um dos reflexos da crise econômica em Portugal, como mostra o cartaz em imagem desta segunda-feira, em Lisboa.
REUTERS/Jose Manuel Ribeiro

RFI

Uma missão de técnicos da troika formada pelo Banco Central Europeu (BCE), do Fundo Monetário Internacional (FMI) e da União Europeia chega nesta terça-feira a Portugal para avaliar os avanços do país no programa de austeridade imposto em troca da ajuda financeira. Esta será a quinta reunião de avaliação do programa de ajuda financeira a Portugal. Em discussão, estarão o déficit nas contas públicas deste ano e do orçamento do ano que vem.

Mauro Tagliaferri, colaborador da RFI em Lisboa

O governo já admitiu que será impossível cumprir a meta de limitar o endividamento público em 4,5% por cento do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano basicamente porque entrou menos dinheiro no cofre do que se previa.

Em uma uma economia em recessão, os portugueses estão pagando menos impostos. Nos primeiros sete meses do ano, a arrecadação foi 2 bilhões e 700 milhões de euros menor que a do mesmo período do ano passado. Neste cenário, os credores podem exigir novas medidas de austeridade.

Mas como Portugal tem se comportado bem, existe um acordo entre as forças políticas, e como esse escorregão nas contas públicas deve ser inferior a um ponto percentual em relação à meta, é possível que a troika feche os olhos e libere a parcela de 4 bilhões e 300 milhões de euros do auxílio financeiro.

Em relação ao orçamento para 2013, o objetivo de reduzir o déficit a 3% do PIB terá de ser renegociado para um patamar mais realista. O governo e credores também tentarão achar alternativas aos cortes do salário de férias e do 13° dos funcionários públicos e pensionistas, medida considerada inconstitucional pela mais alta corte do país.

Já o objetivo de voltar a se financiar a longo prazo nos mercados no ano que vem parece ainda um sonho distante.
 

tags: Austeridade - BCE - Crise financeira - FMI - Lisboa - Portugal - Recessão - União Europeia
Mais notícias sobre o mesmo assunto
Comentários (1)

Os Portugueses dizem basta.

Esperança do Povo Português de que a troika avalie também as inconstitucionalidade e atropelos de liberdade que são cometidos pelo Governo, o crescimento do desemprego, a fome, a saúde, os impostos, os cargos dos "boys", etc....
É importante que se fale das Parcerias Público Privadas, das Câmaras Municipais, da quantidade de viaturas estatais, do desrespeito pelo povo, dos impostos dos combustíveis.
É importante que se fale das desigualdades dos cortes dos subsídios de férias e de natal, do dinheiro que não foi devolvido, daquelas excepções que mantiveram os subsídios.
Portugal tem efectivamente de mudar de Governo.

Comente este artigo
O conteúdo deste campo é privado e não irá ser exibido publicamente.
To prevent automated spam submissions leave this field empty.
CAPTCHA
Esta pergunta serve para diferenciação entre computadores e humanos contra os ataques de spams. Automated spam submissions.
Close