Artigo publicado em 01 de Setembro de 2012 - Atualizado em 01 de Setembro de 2012

Crise define os estilos de campanha de Barack Obama e Mitt Romney

Mitt Romney Barack Obama utilizam aplicativos de redes sociais em suas campanhas.
Photos de campagne postées sur les comptes Instagram des candidats à l'élection présidentielle américaine.
Instagram
Mitt Romney Barack Obama utilizam aplicativos de redes sociais em suas campanhas.

O confronto entre o democrata Barack Obama e o republicano Mitt Romney pela presidência americana reproduz um exemplo clássico de eleições em tempos de crise, estima o jornal Le Monde que circula neste final de semana. De um lado, Obama, que tenta a reeleição prefere falar de projetos futuros e evitar fazer um balanço de sua presidência enquanto seu adversário republicano ataca justamente os pontos fracos do governo democrata.

Para o Le Monde, Mitt Romney está prometendo demais, como o corte de 500 bilhões de dólares nas despesas públicas e redução de impostos, mas sem dar muitos detalhes de como conseguir essa equação.

O discurso do partido, diz o Le Monde, prega que o estado deve se afastar de tudo o que for possível e pretende, caso Romney seja eleito, voltar atrás de grandes reformas promovidas por Obama como o plano de saúde para toda a população e ajudas sociais até para o planejamento familiar.

Em extensa reportagem na edição de seu caderno sobre geopolítica, o jornal analisa a política externa do governo Obama que, de acordo com o Le Monde, preferia que os Estados Unidos não fossem a única potência a interferir na ordem internacional.

Mas o mundo exigiu o posicionamento da autoridade americana e o presidente Obama teve que se adaptar. Vários especialistas foram ouvidos pelo Le Monde e usaram diferentes definições para definir Obama: um pragmático-progressista, realista a contra-gosto e até praticante da não-ideologia.

O conservador Le Figaro escreve ironicamente em sua manchete que o presidente francês François Hollande descobriu a crise. Em editorial, o jornal escreve que ao dizer que a extensão da crise é "excepcional", sem mencionar o ex-presidente Sarkozy, o presidente Hollande deixou definitivamente para trás a campanha eleitoral e, quatro meses depois de sua eleição, muda o tom e decidiu acelerar a agenda do governo.

Mas para tornar a França competitiva, segundo o jornal, o presidente terá que adotar medidas dolorosas como corte nas despesas públicas e reformar o mercado de trabalho.

Para o Le Parisien, Hollande se rende às evidências e tenta com seu discurso de ação do governo acalmar a impaciência dos franceses que começa a crescer.
 

tags: Barack Obama - Campanha eleitoral - Eleições Americanas 2012 - Imprensa - Mitt Romney
Mais notícias sobre o mesmo assunto
Comentários
Comente este artigo
O conteúdo deste campo é privado e não irá ser exibido publicamente.
To prevent automated spam submissions leave this field empty.
CAPTCHA
Esta pergunta serve para diferenciação entre computadores e humanos contra os ataques de spams. Automated spam submissions.
Close