Eleições/EUA - 
Artigo publicado em 06 de Setembro de 2012 - Atualizado em 06 de Setembro de 2012

Clinton inflama candidatura de Obama em Convenção Democrata

Barack Obama abraça Bill Clinton depois de ser nomeado candidato à presidência na convenção democrata de 5 de setembro
Barack Obama abraça Bill Clinton depois de ser nomeado candidato à presidência na convenção democrata de 5 de setembro
REUTERS/Larry Downing

RFI

O segundo dia da convenção democrata teve o ponto alto no fim da noite, quando subiu no palco o mais popular dos presidentes americanos vivos. Bill Clinton consagrou o presidente Barack Obama como candidato a reeleição. “Eu quero nomear um homem que é tranquilo por fora, mas que pega fogo por dentro pela América”, disse. Obama foi oficialmente nomeado candidato pelos delegados democratas.

Clinton teve a missão de convencer os eleitores desiludidos – na mira do partido republicano – de que Obama pode recolocar o país nos trilhos e que ele está trabalhando para reverter a bagunça econômica que herdou dos próprios republicanos. Especificamente, do ex-presidente George W. Bush.

“Em Tampa, o argumento dos republicanos contra a reeleição do presidente era simples: nós deixamos toda a bagunça, ele ainda não terminou de limpar, então demitam-no e nos coloquem no lugar". O ex-presidente rebateu as criticas dos adversários dizendo que ninguém, nem mesmo ele, poderia ter consertado todo o estrago deixado pela gestão Bush em apenas quatro anos. Ele reconheceu que Obama não está satisfeito, mas que a situação agora é, sem dúvida, melhor do que quando ele tomou posse e que ela está progredindo. “Se vocês renovarem o contrato do presidente, vocês vão sentir isso. Eu acredito nisso com todo o meu coração”, enfatizou.

Dono de uma retórica simples e sedutora, Clinton empolgou a plateia durante 48 minutos, ao defender os princípios democratas que focam na importância da sociedade e do Estado para levar as pessoas ao sucesso, contra a filosofia republicana que defende o sucesso individual. Ele falou que o “‘nós estamos nisso juntos’ é bem melhor do que a filosofia do ‘você está por si só’”. E concluiu: “Se você acredita em uma união mais perfeita, se é isso que você quer, se é nisso que você acredita, então você deve reeleger Obama.”

Antes de Clinton, populares tomaram a palavra no palanque para mostrar que as políticas democratas funcionaram. Outros falaram mais alto contra os republicanos. Foi o caso de três ex-funcionários da empresa Bain Capital, de Mitt Romney, que contaram que o candidato republicano coloca o lucro à frente das pessoas. Teve também o depoimento de Sandra Fluke – a jovem que foi taxada de “vagabunda” pelo conservador Rush Limbaugh depois de pedir que o plano de saúde pagasse seu anticoncepcional.

Nesta quinta-feira o presidente Barack Obama aceita a nomeação do partido e faz um discurso que vai apontar os progressos do seu governo e apresentar o projeto de continuidade.

Da correspondente da Radio France Internationale em Washington, Raquel Krähenbühl
 

tags: Barack Obama - Eleições Americanas 2012 - George Walker Bush - Partido Democrata
Mais notícias sobre o mesmo assunto
Comentários
Comente este artigo
O conteúdo deste campo é privado e não irá ser exibido publicamente.
To prevent automated spam submissions leave this field empty.
CAPTCHA
Esta pergunta serve para diferenciação entre computadores e humanos contra os ataques de spams. Automated spam submissions.
Close