França / Meio ambiente - 
Artigo publicado em 15 de Setembro de 2012 - Atualizado em 15 de Setembro de 2012

Jornais comentam medidas ecológicas anunciadas por François Hollande

O presidente François Hollande é parabenizado pelo deputado europeu ecologista José Bové após seu discurso na conferência anual sobre o meio ambiente em Paris, nesta sexta-feira.
O presidente François Hollande é parabenizado pelo deputado europeu ecologista José Bové após seu discurso na conferência anual sobre o meio ambiente em Paris, nesta sexta-feira.
Reuters

RFI

Os jornais franceses deste sábado dedicam suas manchetes à nova política energética do governo de François Hollande, anunciada na sexta-feira. Entre outras medidas, a central nuclear de Fessenheim será fechada e a extração do gás de xisto não será permitida durante seu mandato.

Segundo Le Figaro, a postura do presidente é "ecologicamente correta", mas "economicamente incoerente". O jornal conservador afirma que Hollande adotou essas medidas para contentar seus aliados ecologistas, às vésperas de uma difícil negociação sobre a aprovação do pacto orçamentário europeu.

Em seu editorial, Le Figaro afirma que a energia nuclear e a exploração do gás de xisto favoreceriam a independência energética da França e garantiriam eletricidade a preços moderados. "François Hollande sacrifica o interesse geral em favor da coesão governamental", escreve o jornal.

Le Monde avalia que a conferência sobre o meio ambiente iniciada nesta sexta-feira em Paris marca uma virada "verde" do governo. O diário afirma que as ongs ambientalistas aplaudiram o discurso do presidente François Hollande sobre o tema, mas aponta que os sindicatos e as empresas estão preocupados com o impacto social e econômico das medidas anunciadas.

Além das decisões sobre a energia nuclear e o gás de xisto, François Hollande defendeu o projeto de um imposto ecológico sobre os produtos produzidos fora da União Europeia e lançou a ideia de criar uma Comunidade Europeia da energia, para favorecer a cooperação entre as empresas do bloco engajadas na transição energética.

"A cultura a pão seco", diz a manchete de Libération. O jornal de esquerda detalha os cortes no orçamento do ministério da cultura e os projetos que serão abandonados por serem julgados caros demais. Em editorial, Libération critica essas economias e lembra que a cultura é uma economia "potencialmente dinâmica" e um grande fator de atratividade para a França.
 

tags: Ecologia - Energia - França - François Hollande - Imprensa - Le Figaro - Le Monde - Libération - Meio Ambiente - Nuclear
Mais notícias sobre o mesmo assunto
Comentários
Comente este artigo
O conteúdo deste campo é privado e não irá ser exibido publicamente.
To prevent automated spam submissions leave this field empty.
CAPTCHA
Esta pergunta serve para diferenciação entre computadores e humanos contra os ataques de spams. Automated spam submissions.
Close