11 de Outubro de 2012
Recursos para preservação da biodiversidade é desafio de conferência da ONU
Logo da Convenção da Diversidade Biológica (CDB), conhecida como COP 11 que acontece em Hyderabad na Índia
Logo da Convenção da Diversidade Biológica (CDB), conhecida como COP 11 que acontece em Hyderabad na Índia
CoP11/ Divulgação
RFI

Representantes de 170 países estão reunidos em Hyderabad, na India, para a 11ª Conferência das Partes da Convenção sobre Diversidade Biológica, um evento que discute a preservação da biodiversidade no mundo. Em um momento de forte crise econômica em vários países do mundo, e principalmente nos países ricos, o desafio da obtenção de recursos para proteger a natureza é o mais importante deste evento. O valor existente hoje, de cerca de 7 bilhões de dólares ao ano, é considerado insuficiente para criar áreas de preservação da fauna e da flora e combater a caça e a pesca ilegais.

A maior expectativa é de que, ao final da conferência, os países se comprometam com números mais abrangentes. Cálculos feitos pela entidade consideram que os custos necessários possam chegar a 600 bilhões de dólares em oito anos.

Sonia Peña Moreno, diretora de política global da União Internacional para a Conservação da Natureza, a maior ONG do mundo que defende esta causa, está na India e conta que nas mesas de negociações, os países desenvolvidos se confrontam com os países emergentes e em desenvolvimento quando o assunto é colocar dinheiro em jogo.

A última conferência, realizada no Japão em 2010, tinha sido considerada um sucesso histórico, ao conseguir chegar a um acordo sobre 20 objetivos a serem cumpridos até 2020 para preservar a biodiversidade do planeta, as chamadas Metas de Aichi. Os Estados Unidos haviam ficado de fora, mas todos os 193 países restantes, membros da ONU, haviam assinado o documento.

Os principais objetivos são evitar o empobrecimento do habitat natural da fauna e da flora, aumentar as áreas de preservação terrestre de 13,5% da superfície para 17% e, quanto aos oceanos, passar dos apenas 1% atuais para 10% de áreas protegidas daqui a oito anos.

Cerca de 90% dos países possuem um plano de ação para proteger a biodiversidade, mas somente 14 revisaram suas estratégias levando em conta as Metas de Aichi. De acordo com a ONG, quase um terço das 63.837 espécies do planeta estão em risco devido ao aquecimento global e à urbanização.

A ministra brasileira do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, vai à India na semana que vem, quando os ministros participarão dos três últimos dias da conferência. O evento se encerra no dia 19.
 

Mais notícias sobre o mesmo assunto
Close