ONU/NY - 
Artigo publicado em 24 de Setembro de 2010 - Atualizado em 24 de Setembro de 2010

Diplomacia europeia condena declarações de Ahmadinejad sobre o 11 de setembro

O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, durante discurso na Assembleia Geral da ONU nesta quinta-feira, 23 de setembro.
O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, durante discurso na Assembleia Geral da ONU nesta quinta-feira, 23 de setembro.
Reuters

RFI

A chefe da diplomacia europeia, Catherine Asthon, afirmou hoje que as declarações de Mahmoud Ahmadinejad sobre o 11 de setembro são "escandalosas e inaceitáveis". O presidente iraniano roubou a cena ontem na Assembleia Geral da ONU ao afirmar que a maioria das pessoas acredita que foi os EUA quem organizou os atentados. Paralelamente à Assembleia Geral aconteceu ontem uma reunião do Conselho de Segurança da ONU, durante a qual o chanceler brasileiro Celso Amorim criticou o órgão e pediu que os membros não permanentes tenham mais poder.

Enquanto os países mais poderosos do mundo adotam um discurso indicando que querem manter contato com o Irã, o presidente Mahmoud Ahmadinejad continua criando polêmica com suas declarações. Em seu discurso na Assembleia Geral da ONU, nesta quinta-feira, ele disse que a maioria das pessoas acredita que foi o governo norte-americano quem provocou os atentados de 11 de setembro de 2001, para reverter o declínio da economia do país. A delegação dos Estados Unidos abandonou o plenário em protesto.

Ahmadinejad foi além e propôs à ONU a criação de um "grupo independente de apuração" para investigar os atentados. A missão dos Estados Unidos na ONU reagiu dizendo que « mais uma vez o presidente iraniano prefere recitar teorias conspiratórias a trazer as aspirações e a boa vontade do povo do seu país.”

A chefe da diplomacia europeia, Catherine Ashton, afirmou nesta sexta-feira que as declarações de Ahmadinejad são « escandalosas e inaceitáveis ». « É por isso que todos os representantes das 27 nações da União Europeia saíram da sala da Assembleia geral das Nações Unidas », explicou Ashton. « Em nome da União Europeia, eu gostaria de exprimir minha solidariedade com as famílias e os amigos daqueles que morreram ou ficaram feridos nos atentados de 11 de setembro », acrescentou.

O Chanceler brasileiro Celso Amorim
 
24/09/2010
 
 

O grupo dos 5 +1, que reúne os membros permanentes do Conselho de Segurança - Estados Unidos, França, China, Reino Unido e Rússia - mais a Alemanha, estaria redigindo um documento para tentar negociar com o Irã. Segundo o Ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, é possível que seja algo inspirado no Tratado que foi assinado entre Turquia, Brasil e Irã, e que não foi aceito pelas grandes potências.
« Não vamos cobrar direito autoral, nós queremos a paz », disse o chanceler. « Se isso acontecer e for com outro nome, não tem a menor importância. Nós teremos na nossa consciência que contribuímos para isso”, acrescentou.

Conselho de Segurança

Nesta quinta-feira aconteceu, paralelamente à Assembleia Geral, um encontro de alto nível do Conselho de Segurança da ONU. O chanceler brasileiro aproveitou, mais uma vez, para criticar o formato e os trabalhos do órgão que em 65 anos nunca teve uma grande reforma.

Durante a reunião que teve a presença dos 15 membros, Amorim disse que é injusto que os dez que têm cadeiras rotativas tenham poderes limitados e que quem realmente decide são só os cinco membros permanentes. Ele criticou ainda a maneira como são decididas as sanções e afirmou que elas são um instrumento que deve ser usado com muita cautela e somente quando todas as vias de diálogo e acordo foram esgotadas.

Colaboração da correspondente da RFI em Nova York, Cleide Clock.
 

tags: Irã - ONU
Mais notícias sobre o mesmo assunto
Close